Blog de marialimeira


 

LEITO DE MORTE, VESTIDO BRANCO, BANDEIRAS RASGADAS

(Conto)

 

Maria José Limeira

 

Leito de morte:

Então, finalmente, eis-me aqui.

Jazo em minha própria cama, em estação terminal.

Sem poder falar, nem mesmo fazer algum aceno a  quem me entenda.

Por fim, minha longa vida inútil atravessa os portais das sombras, como num belíssimo conto de terror que sempre apreciei, de Conan Doyle a Agatha Christie, de Alan Poe a... Hitchcock.

(Estes também já se foram, embalados nas barcas que singram os rios de águas sujas, tendo ao leme personagens nebulosos, cujos nomes se perderam nas bruscas temperaturas frias do alto inverno).

As pessoas entram e saem do quarto apressadas.

Mal têm tempo de rodear meu corpo como se me vissem pela última vez. Algumas tentam se comunicar comigo através de gestos patéticos, pulos, pequenos gritos desses que os animais emitem quando avisam  de algum perigo iminente.

Mas... nada. Nenhuma reação de minha parte.

Vejo tudo através da névoa, derradeira luz que meu olhar exibe, sem compreender o que tentam me propor.

Aqui estou. Este é o fato.

 

Vestido branco:

Poderia ser que em minha morte des-inventada, alguém tivesse a péssima idéia de vestir-me um traje branco, de organdi, ao modo de mortalha, cheio de babados e enfeites dourados, daqueles que mais detesto.

Mas, aí já nada me doeria mais, nem pra mais nem pra menos, visto que na morte verdadeira, o que interessa muito é o cadáver, e não as últimas vontades de quem se foi.

E... bem. E quem sou eu para impor minhas verdades, quando nem mesmo em vida tive os desejos atendidos?  (Ah, quem me dera fosse um cantinho só meu, num pedaço de terra no interior, ouvindo o boi mugir, a vaca resmungar e as galinhas ca-ra-ca-cás...).

Vestido branco... Pois sim!

- Mãe, estão me chamando de “marinheira” e de “cisne branco”, na escola.

Me dá uma roupa cor-de-rosa, mãe, nem que seja esfarrapada...

O fato, porém, é este. Ainda que sob a rigidez cadavérica da minha cara de cera, olhos vendados e lábios pintados de vermelho, empurraram-me o  tal vestido branco de organdi, que nem cabia mais em mim.

Vejam só como cheguei ao Juízo Final, para prestar contas de meus erros pregressos, diante de um conselho de anciãos perversos, carrancudos e irados: vestida  de branco, em vestido de organdi.

Destarte, quem foi que disse que as coisas aconteceriam assim?

 

Bandeiras rasgadas:

Chulapo, chulapo, chulapo...

E lá vou eu com minha bandeira dilacerada, em final de partida, como soldado vencido e  capitulado.

Quem vai me dar atenção no meio da noite, quando a escuridão é mais do que argumento para ficar-se quieto, não reclamar, fazer-se de boazinha, submeter-se ao absurdo e, ainda por cima, agradecer o quanto me haviam torturado, a pretexto de “me fazerem o bem”?

Nessa condição, ajoelhada aos pés dos meus algozes, com os restos de sonhos esmigalhados no chão, e sem nada mais a dizer, digo:

- Justin Bieber, sai da televisão. Vem me ver aqui. Vira príncipe encantado. Dá-me o beijo na boca do qual preciso para ressuscitar.

(Baby, baby, ooohhhoo...)

O fato é este.  Ainda que nas condições mais desfavoráveis, será possível sonhar. Afinal de contas, depois do corpo vem o pó, que se transforma em adubo terrestre, onde viçam plantas e animais, em eterna inovação.

OK. Vocês venceram.

O que mais querem de mim, gentes lindas?

 



Escrito por marialimeira às 23h12
[   ] [ envie esta mensagem ]




José Serra - Sem comentários

serrarmado



Escrito por marialimeira às 23h00
[   ] [ envie esta mensagem ]




Folhetins passarinheiros

PASSAREDO

 

Passarinho ensolarado

canta e pula beija-flor.

Periquito enamorado,

ó meu pássaro cantor.

 

(Maria José Limeira)

João Pessoa, 20.10.2010

Hospital Samaritano

..........

 

LODAÇAL

 

Nos muros que a chuva escorre,

no húmus que a água grita,

há um pássaro que morre

sem cor no laço-de-fita.

 

(Maria José Limeira)

João Pessoa, 20.10.2010

Hospital Samaritano

..........

 

EX-PIRAÇÃO

 

Ocaso é o fim do dia.

Pôr-do-sol é sempre triste.

Passarinho que já não pia

morreu e não mais existe.

 

(Maria José Limeira)

João Pessoa, 20.10.2010

Hospital Samaritano

..........

 

BIZURADA

 

Passarada de arvoredo,

canarinho que amarela.

Janaína tem segredo.

Araponga tem remela.

 

(Maria José Limeira)

João Pessoa, 20.10.2010

Hospital Samaritano

..........

 

VALSAS & BLUES

 

Azulão é trovador.

Bem-te-vi canta entoado.

Corruíra enganador

emite som entojado.

 

(Maria José Limeira)

João Pessoa, 20.10.2010

Hospital Samaritano



Escrito por marialimeira às 20h34
[   ] [ envie esta mensagem ]




FUNDAÇÃO ITAÚ

 

A Fundação Itaú está distribuindo gratuitamente um kit de livros infantis.

 

É só entrar no link abaixo e se cadastrar.

 

O objetivo é incentivar a leitura infantil.

 

Divulguem para os amigos.

 

Só adultos podem se inscrever

 

www.lerfazcrescer.com.br

 

Abraços & Saludos.

 

(Maria José Limeira)

 

 



Escrito por marialimeira às 20h30
[   ] [ envie esta mensagem ]




E_STAND_ARTE

 

a cada queda me levanto

com mais raiva e força

para combater o destino

ergo meu estandarte.!.

enquanto tudo desafino

deixando que tudo torça

e parta em meu canto


Francisco Coimbra
(um aprendiz de Assim

à amiga Maria José Limeira)

Saludos! 



Escrito por marialimeira às 20h28
[   ] [ envie esta mensagem ]




RECAÍDA

 

Senhoras. Senhores. Passei, ultimamente, mais de oito dias hospitalizada (Hospital Samaritano de João Pessoa), em crise do mesmo mal que me acometera há um ano atrás (DPOC grave). Porém, tudo foi superado, mais uma vez, e agora estou bem (se é que se pode dizer assim...), andando com minhas próprias pernas, sem ajuda de cadeira-de-rodas, e inteiramente lúcida, apesar de todo o esforço médico para me manter desacordada, a fim de que eu melhorasse mais depressa.

Não esqueço de nenhum de vocês, que militam comigo nas listas, embora eu não possa mais continuar atuando nas mesmas como gostaria.

Saludos & Obrigada pela solidariedade.

Maria José Limeira

João Pessoa,  11 de outubro de 2010.



Escrito por marialimeira às 21h12
[   ] [ envie esta mensagem ]




O SUICÍDIO


O suicídio é um tiro no escuro.

É mergulhar no vazio.

É afogar-se à beira-mar.


O suicídio é não saber mais amar.


Maria José Limeira

João Pessoa, 11 de outubro de 2010



Escrito por marialimeira às 21h10
[   ] [ envie esta mensagem ]




 

latuff.1



Escrito por marialimeira às 21h35
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Mulher, Portuguese, Arte e cultura
Histórico
  01/05/2012 a 31/05/2012
  01/03/2012 a 31/03/2012
  01/02/2012 a 29/02/2012
  01/12/2011 a 31/12/2011
  01/11/2011 a 30/11/2011
  01/10/2011 a 31/10/2011
  01/09/2011 a 30/09/2011
  01/07/2011 a 31/07/2011
  01/05/2011 a 31/05/2011
  01/04/2011 a 30/04/2011
  01/03/2011 a 31/03/2011
  01/02/2011 a 28/02/2011
  01/01/2011 a 31/01/2011
  01/12/2010 a 31/12/2010
  01/11/2010 a 30/11/2010
  01/10/2010 a 31/10/2010
  01/09/2010 a 30/09/2010
  01/08/2010 a 31/08/2010
  01/07/2010 a 31/07/2010
  01/06/2010 a 30/06/2010
  01/05/2010 a 31/05/2010
  01/04/2010 a 30/04/2010
  01/03/2010 a 31/03/2010
  01/02/2010 a 28/02/2010
  01/01/2010 a 31/01/2010
  01/12/2009 a 31/12/2009
  01/11/2009 a 30/11/2009
  01/10/2009 a 31/10/2009
  01/09/2009 a 30/09/2009
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/06/2009 a 30/06/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/01/2008 a 31/01/2008
  01/12/2007 a 31/12/2007
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006


Outros sites
  UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  Maria José Limeira & Amigos
  Dicionário de Direitos Humanos
  Educação Ambiental
  Francisco Coimbra
  Observatório da Infância
  Noite sombria
  Rosangela_Aliberti
  Jorge Vicente
  Balaio de Letras
  Dôra Limeira
  Dira Vieira
  O Bule
  Luiz de Aquino
  Geraldes de Carvalho
  Glauber Vieira
  Algo mais além de livros
  Planeta Sustentável
  Poeta Linaldo Guedes
  El Theatro
Votação
  Dê uma nota para meu blog